O Supremo Tribunal decide sobre questões preliminares em contestação relacionada ao suposto envolvimento do Reino Unido em tortura

0
55

9 de julho de 2020 apresentada por Sapan Maini-Thompson

No R (Reprieve & Ors) contra Primeiro Ministro [2020] EWHC 1695 (Admin), o Supremo Tribunal decidiu que o Artigo 6 (1) da CEDH não se aplica à próxima revisão judicial da decisão do Governo de não instaurar um inquérito público sobre alegações de que os serviços de inteligência do Reino Unido estavam envolvidos em tortura, maus tratos e entrega dos detidos após o 11 de setembro. Considerou-se ainda que os requerentes não têm direito ao nível de divulgação de material aberto descrito em SSHD v AF (no 3) [2009].

Angus McCullough QC de 1 Crown Office Row foi instruído como advogado especial neste caso.

Antecedentes factuais

Os fatos deste caso contam uma história inconsistente. Em 2010, o então primeiro-ministro David Cameron anunciou que haveria um inquérito independente sobre o suposto envolvimento do Reino Unido no tratamento abusivo de detidos por agências de inteligência estrangeiras. Entretanto, isso não seria uma investigação pública completa, pois algumas informações teriam que permanecer secretas.

Em 2012, a Polícia Metropolitana iniciou uma investigação criminal. De acordo com isso, o então secretário de Justiça, Kenneth Clarke, declarou que o governo pretendia realizar “um inquérito independente, conduzido por um juiz”, após a conclusão das investigações policiais.

Avançando para julho de 2019 – após a publicação de dois relatórios especiais pelo Comitê de Inteligência e Segurança do Parlamento – o governo decidiu que não era mais necessário realizar “uma investigação independente, conduzida por um juiz”, porque várias etapas estatutárias e não estatutárias – que já haviam sido tomadas – levaram a políticas aprimoradas.

Motivos da revisão

Os requerentes procuraram analisar judicialmente esta decisão principalmente com o argumento de que a proibição de tortura, tratamento desumano ou degradante ou punição no artigo 3 da CEDH impõe uma obrigação positiva aos Estados de conduzir uma “investigação independente eficaz” sobre alegações de maus-tratos (El-Masri contra Antiga República Jugoslava da Macedônia (2013)). Eles alegaram que a decisão do réu de não realizar uma investigação pública violou essa obrigação.

Enquadramento jurídico

O âmbito de aplicação do artigo 6.o, n.o 1

O artigo 6.º da CEDH consagra o direito a um julgamento justo. Este é um direito absoluto, tanto no aspecto criminal quanto no civil. Em relação a processos civis, o Artigo 6 (1) estipula (entre outras coisas) que “na determinação de seus direitos e obrigações civis … todos têm direito a uma audiência justa e pública …”

Como foi realizado recentemente pelo Supremo Tribunal em QX contra Secretário de Estado do Departamento do Interior [2020], discutido neste blog aqui, o conceito de “direitos e obrigações civis” não pode ser interpretado apenas por referência ao direito nacional, mas tem um significado autônomo no direito europeu (Ferrazini / Itália (2002)). Farbey J argumentou que qualquer direito humano protegido pela Lei dos Direitos Humanos de 1998 será um “direito civil” na medida em que a violação do direito constituir um delito legal (QX, parágrafos 42-44).

Os demandantes argumentaram que o artigo 6 aplica-se a esses processos porque se referem ao direito fundamental à liberdade de tortura e outros maus-tratos proibidos pelo artigo 3. Especificamente, o Tribunal está sendo solicitado a determinar “a natureza e o alcance do direito dos requerentes de uma decisão legal em relação à obrigação de investigação prevista no artigo 3º ” [31]. E, como esse direito é protegido pelo HRA, é um direito estatutário executório equivalente a um “direito civil”, na aceção do artigo 6 (1).

O efeito da FA (no 3)

No AF (no 3), a Câmara dos Lordes decidiu o padrão mínimo de divulgação necessário ao analisar judicialmente uma ordem de controle em processos materiais fechados. Aplicando o raciocínio da Grande Câmara em A contra Reino Unido (2009), Lord Phillips sustentou que

O Controlado deve receber informações suficientes sobre as alegações contra ele, a fim de permitir que ele dê instruções efetivas em relação a essas alegações.[[AF59]

Como o Supremo Tribunal resumiu, isso significa que, quando “a ação executiva é tomada contra um indivíduo de uma maneira que afeta sua liberdade, o caso contra ele não pode se virar única ou decisivamente em material fechado”. [23]

AF (no 3) a divulgação foi estendida pelos tribunais a ordens de congelamento de ativos; instruções aos bancos relacionadas a restrições financeiras nos termos da Lei Antiterrorista de 2008; e ordens feitas sob a Lei de Medidas de Prevenção e Investigação do Terrorismo (“TPIM”) de 2011. O Supremo Tribunal impôs uma importante limitação à sua aplicação, no entanto, em Tariq v Home Office [2011]. O Tribunal considerou que, nos casos em que não envolver ação executiva contra a liberdade do indivíduo, um julgamento justo pode ocorrer sem cheio AF (no 3) divulgação.

Nesse caso, os demandantes alegaram que os requisitos do artigo 6 (1) significavam que eles tinham direito a AF (no 3) divulgação. Isso ocorre porque os princípios em AF (no 3) são de aplicação geral em casos de direitos fundamentais. AF (no 3) a divulgação pelo réu também é praticamente necessária, alegaram eles, porque permitiria verificar se de fato não existe uma necessidade investigativa não atendida, como sustenta o réu.

A decisão do Supremo Tribunal

Artigo 6 (1)

Em relação à obrigação de investigação do Estado nos termos do artigo 3, a Corte considerou que o direito dos requerentes a uma decisão legal do executivo não gera, por si só, um “direito civil” na aceção do artigo 6. requerentes não buscariam uma determinação de seus próprio Artigo 3, mas aumentaria os direitos de outras pessoas que (no caso dos reclamantes) possam ter sido objeto de maus-tratos.

Como os demandantes não são supostamente vítimas de violações do Artigo 3, não se pode dizer que o réu deva qualquer dever de investigação a eles. Embora não descartando a possibilidade de o artigo 6º se aplicar em circunstâncias alternativas, não havia motivos para concluir que o alcance do artigo 6º, nº 1, deveria se estender a pessoas não relacionadas ao processo.

A aplicação da FA (no 3)

O Tribunal considerou que ainda havia o artigo 6 (1) aplicado a este caso, AF (no 3) a divulgação ainda não seria necessária. Isso ocorre porque “esses procedimentos não envolvem a liberdade do indivíduo, no sentido de que os procedimentos não estão preocupados em conceder liberdade de detenção” [45]. Além disso, a recusa de uma investigação pública não aumenta a privação da liberdade, ao contrário das ordens de controle.

A questão de saber se AF (no 3) a divulgação deve ser estendida a este caso, exigindo que o Tribunal examine a “natureza e peso das circunstâncias de cada lado” (Tariq27). Embora tenha havido um grande interesse público em garantir que o governo seja devidamente responsabilizado por qualquer envolvimento em violações de direitos humanos no exterior, a jurisprudência é consistente na aplicação de AF (no 3) a medidas executivas altamente restritivas com efeitos muito graves para os direitos individuais.

Na opinião do Tribunal, havia informações suficientes em domínio público – na forma de declarações de testemunhas e documentos comprovativos – para que os reclamantes examinassem se a necessidade de investigação havia sido atendida. O Tribunal insistiu que suas conclusões não significam que as razões do Secretário do Interior para reter o material evitarão um escrutínio independente.

Como realizado em Tariq, o tribunal “sempre terá astúcia em examinar criticamente qualquer reivindicação de retenção de informações por motivos de interesse público” (Tariq161). Nos próximos procedimentos, os advogados especiais poderão conduzir essa avaliação, com o Tribunal supervisionando o processo de divulgação estruturada [52].

Comente

A recusa da Suprema Corte de estender os direitos do Artigo 6 às “supostas vítimas de violações do Artigo 3” [42] aparentemente constitui uma rejeição à vitimização vicária. Este é um ponto importante, considerando que a posição dos demandantes de intentar uma ação não estava em disputa.

No entanto, o julgamento também é significativo pelo que não descarta. Os requerentes sustentaram que, se não puderem invocar as garantias de julgamento justo do Artigo 6 em nome de terceiros, existe o risco de que o processo de revisão judicial seja injusto com as vítimas. Sobre os fatos atuais, esse argumento falhou.

Ao mesmo tempo, o Tribunal afirmou que, em circunstâncias alternativas, as reivindicações de terceiros poderiam ter êxito. [44]. Isso sugere que poderia haver um limiar mínimo de proximidade entre terceiros e processos judiciais, acima do qual reivindicações “vicárias” poderiam ser feitas em relação ao artigo 6.

Sapan Maini-Thompson está treinando para se tornar um advogado especializado em direito penal, público e de direitos humanos. Ele tweets @SapanMaini



Fonte:
ukhumanrightsblog.com

Deixe uma resposta